sexta-feira, 19 de junho de 2020

Trabalho Livre de Sara Costa

Desenho A 10.ºE






Nesta memória descritiva vão ser relatados todos os passos dados para a concretização do projeto de trabalho de final de período, sendo este trabalho livre, ou seja, ao gosto do aluno. Depois de muito refletir, decidi que representaria, no meu desenho, os preconceitos: devido aos acontecimentos atuais, as manifestações BLM (Black Lives Matter) e ao facto de estarmos no mês do orgulho LGBT (Pride Month).
Depois de proceder ao esboço, onde decidi que preconceitos representar e como os fazer, desenhei, numa folha de aguarela A4, quatro quadros e um retângulo no centro, onde estariam os preconceitos e uma frase, respetivamente. Nesses espaços desenhei quatro pessoas distintas, todas vendadas, sendo que cada uma representa um preconceito e na venda encontra-se uma palavra que, de certa forma, identifica o preconceito. Todas elas foram pintadas, posteriormente, a lápis de cor. Por fim, no retângulo do centro, escrevi uma pequena frase “Nós Somos Iguais” e contornei as bordas do trabalho com caneta preta de ponta fina.
Cada pessoa simboliza quatro tipos de preconceitos, a homofobia, o racismo, a intolerância religiosa e o machismo, mais especificamente, a violência contra as mulheres. Nas vendas, como já dito anteriormente, está a identificação de cada preconceito através de insultos que são ditos às pessoas que o sofrem. Na homofobia está escrito “Viado”, uma vez que desenhei um transexual. Além disso, também está desenhada a bandeira da comunidade LGBT no rosto da personagem, como se fossem lágrimas, já que está a ser julgada pela sua sexualidade; no racismo a venda diz “Escrava”, devido à cor e ao passado destas pessoas; na intolerância religiosa a palavra é “Terrorista”, pois a mulher representada pertence a uma das religiões conhecida por cometer terrorismo, então as pessoas julgam-na como uma deles; por fim, o machismo, mais especificamente a violência contra as mulheres, tem escrito “Inferior”, pois as mulheres são vistas como seres inferiores e, além disso, pode observar-se feridas e pisaduras no rosto da personagem, que servem para denunciar a violência.
Por fim, a frase “Nós somos Iguais”, tem como objetivo contrariar todo este ódio representado e tentar demonstrar que não importa de que raça, sexualidade, religião ou sexo sejamos, nós somos todos iguais e sangramos todos da mesma forma, daí a cor vermelha de fundo.
Para concluir, posso afirmar que foi um dos trabalhos mais interessantes e cativantes de realizar, sem ter tido grande dificuldade na sua concretização.

Escola Secundária de Águas Santas, 13 de junho de 2020
Sara Costa, Nº13, 10E

Sem comentários:

Publicar um comentário