quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Quando o amor paira no ar... a poesia torna-se visual

O conjunto de poemas visuais aqui apresentados surge de um trabalho interdisciplinar entre Português e Educação Visual, nas turmas B e C do 9.º ano. As professoras Luísa Ferreira e Cristina Magalhães abordaram a temática da poesia visual nas aulas e o resultado final está aqui exposto. Os poemas e os versos trabalhados estão publicados no fim desta mensagem. Encontre-os quem puder nas várias criações originais dos nossos alunos.



João Balão, 9.ºB

André Soares, 9.ºB

Digo Cardoso, 9.ºB

Miguel Gentil, 9.ºB

Guilherme Ferreira ,9.ºB

João Ramos, 9.ºB

Alice Figueiredo, 9.ºB

Laura Coelho, 9.ºB

Marta Lima, 9.ºB

Anabela Silva, 9.ºB

Matilde Silva, 9.ºB

Maxim Puga, 9.ºB

Miguel Oliveira, 9.ºB

Olga Neves, 9.ºB

Pedro Conceição, 9.º B

Raquel Teixeira, 9.ºB

Rúben Silva, 9.ºB

Telma Silva, 9.ºB

Tiago Rodrigues, 9.ºB

Ana Ferreira, 9.ºC

Vasco Silva, 9.ºB

Wallace Barbosa, 9.ºB

João Araújo, 9.ºC

Beatriz Matins, 9.ºC

Bernardo Lopes, 9.ºC

Bruno Ribeiro, 9.ºC

Carla Pinto, 9.ºC

Carolina Santos, 9.º C

Catarina Rocha, 9.ºC

David Teixeira, 9.ºC

Gonçalo Pinhão, 9.ºC

Iara Ferreira, 9.ºC

Inês Pinto, 9.ºC

Inês Silva, 9.ºC

Joaquim Pereira, 9.ºC

João Rodrigues, 9.ºC

José Carlos Soares, 9.ºC

José Pereira, 9.ºC

Luana Martins, 9.ºC

Luís Dias, 9.ºC

Mariana Videira, 9.ºC

Miguel Cunha, 9.ºC

Patrícia Ferreira, 9.ºC

Rafael Silva, 9.ºC

Miguel resende, 9.ºC

Rita Pinto, 9,ºC

Rúben Rosas, 9.ºC

Sofia Vieira, 9.ºC



Poemas e versos de poemas usados na criação da poesia visual


Eu sem você sou só desamor. Um barco sem mar, um campo sem flor. 
Tristeza que vai, tristeza que vem. Sem você, meu amor, eu não sou ninguém?
Vinicius de Moraes

A vida sem amor é um livro sem letras, uma primavera sem flores, uma pintura sem cores.
Augusto Cury

Quero que todos os dias do ano, todos os dias da vida, de meia em meia hora, de cinco em cinco minutos me digas: eu te amo.
Carlos Drummond de Andrade

“O amor não consiste em olhar um para o outro, mas sim em olhar juntos para a mesma direção.”
Antoine de Saint- Exupéry

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários- Carlos Drummond de Andrade
Amo-te como a planta que não floriu e tem
dentro de si, escondida, a luz das flores,
e, graças ao teu amor, vive obscuro em meu corpo
o denso aroma que subiu da terra.
Pablo Neruda

Amo-te como quem ama a rosa
Me aproximo
Sinto teu perfume
Rego-te
Te admiro 
Augusto Branco

Para atravessar contigo o deserto do mundo
Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei
Por ti deixei meu reino meu segredo
Sophia de Melo Breyner Andresen

Tira-me o pão, se quiseres,/ tira-me o ar, mas/ não me tires o teu riso.
Não me tires a rosa,
a flor de espiga que desfias,
a água que de súbito
jorra na tua alegria,
a repentina onda
Pablo Neruda

… estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram
flores novas na terra do jardim, quero dizer
que estás bonita.
 entro na casa, entro no quarto, abro o armário,
abro uma gaveta, abro uma caixa
José Luís Peixoto

Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida.
Meus olhos andam cegos de te ver.
Não és sequer razão do meu viver
Pois que tu és já toda a minha vida!
Não vejo nada assim enlouquecida...
Florbela Espanca

Dorme a vida a meu lado, mas eu velo.
(Alguém há-de guardar este tesoiro!)
E, como dorme, afago-lhe o cabelo,
Que mesmo adormecido é fino e loiro.
Só eu sinto bater-lhe o coração,
Miguel Torga

É urgente o amor
É urgente um barco no mar
É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos, muitas espadas.
É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos,...
Eugénio de Andrade


Para Ti
Foi para ti 
que desfolhei a chuva 
para ti soltei o perfume da terra 
toquei no nada 
e para ti foi tudo 

Para ti criei todas as palavras 
e todas me faltaram 
no minuto em que talhei 
o sabor do sempre 

Para ti dei voz 
às minhas mãos 
abri os gomos do tempo 
assaltei o mundo 
e pensei que tudo estava em nós 
nesse doce engano 
de tudo sermos donos 
sem nada termos 
simplesmente porque era de noite 
e não dormíamos 
eu descia em teu peito 
para me procurar 
e antes que a escuridão 
nos cingisse a cintura 
ficávamos nos olhos 
vivendo de um só 
amando de uma só vida
Mia Couto

Não te fies do tempo nem da eternidade
que as nuvens me puxam pelos vestidos,
que os ventos me arrastam contra o meu desejo.
Apressa-te, amor, que amanhã eu morro,
que amanhã morro e não te vejo!
Cecília Meireles

Cantiga do amor sem eira 
nem beira, 
vira o mundo de cabeça 
para baixo, 
suspende a saia das mulheres, 
tira os óculos dos homens, 
o amor, seja como for, 
é o amor.
Carlos Drummond de Andrade

Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. 
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos 
Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. 
(Enlacemos as mãos.)
Ricardo Reis (heterónimo de Fernando Pessoa)

Cobertos de folhagem, na verdura,
O teu braço ao redor do meu pescoço,
O teu fato sem ter um só destroço,
O meu braço apertando-te a cintura;
Cesário Verde

Sem comentários:

Publicar um comentário